Especial Dia do Urologista

Especialistas contam por que optaram pela especialidade

O Dia do Urologista é celebrado em 12 de setembro. A data foi instituída em 2005, em razão do nascimento do também urologista e ex-presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira, considerado o patrono da Urologia. Nesta data especial, a SBU traz testemunhos de urologistas de diferentes gerações sobre a escolha pela especialidade e aproveita para parabenizar todos os associados.

Encantei-me pela Urologia em razão dos professores que tive

“Desde os quatro anos de idade posso dizer que vivi praticamente dentro na Casa de Saúde em Uberlândia (MG). Fiquei assim até por volta dos 14 anos. Meus pais trabalhavam no hospital, eu estudava à noite. Anos depois, mudei-me para São Paulo para estudar. Entrei para a Universidade de São Paulo em 1953 e me formei em 1958. Primeiro fiz cirurgia geral e depois passei para Urologia. Encantei-me pela Urologia em razão dos professores que tive. Depois fiz residência no Hospital das Clínicas. Se não fosse a Urologia, talvez tivesse sido neurocirurgião. Hoje, aos 94 anos, ainda exerço a profissão na Santa Casa de Santos, mas estou afastado das atividades por conta da pandemia.”

Dr. João Batista Ferreira (SP), 94 anos, um dos urologistas mais antigos em atividade

 

 

Não escolheria outra especialidade, pois sou muito feliz na Urologia

“Fui motivada pela diversidade de tratamentos e áreas dentro da Urologia. Conheci mais a fundo porque na época meu pai estava com câncer de próstata e foi tratado na Santa Casa, onde eu fazia residência de cirurgia geral. Mas só decidi pela Urologia um ano depois, quando fui me inscrever na prova para especialidade. Atuo na área desde 2003, quando terminei a residência. Não escolheria outra especialidade, pois sou muito feliz na Urologia. Quando decidimos fazer Urologia ficamos apreensivas pelo fato de sermos mulheres. Surgem questionamentos como: será que serei aceita pelas pessoas ao meu redor? Seguir essa especialidade nunca foi uma coisa que passou pela minha cabeça durante a faculdade, mas eu tinha um plano B. Se não desse certo, faria outra coisa, porque eu gostava de outras áreas também. Não foi fácil, trabalhei em muitos lugares, em cidades próximas a São Paulo… Mas de um modo geral sou muito feliz como urologista e não me arrependo de ter escolhido a especialidade. Inclusive nasci no dia 12 de setembro de 1974 e há uns oito anos fiquei sabendo desta coincidência: faço aniversário no Dia do Urologista! Foi uma surpresa marcante porque desde então não esqueci mais o dia do urologista.”

Dra. Isabel Cristina de Albuquerque Feitosa (SP), 46 anos

  

Sou apaixonada pela minha profissão

“Terminei a residência em fevereiro de 2020. Desde o ciclo básico da universidade demonstrei interesse e aptidão por especialidades cirúrgicas. Explorando com mais afinco cada subespecialidade, vi que a Urologia abrangia um consultório amplo, procedimentos de pequeno porte, exames diagnósticos e grandes diversidade de cirurgias. Sou apaixonada pela minha profissão! A Urologia me proporciona um grande contato com o paciente, bons resultados ao tratamento, além de boa remuneração.”

Dra. Camila Burity (PR), 29 anos

 

 

 

 

 

Sou muito realizada com a profissão que escolhi

“Formei-me pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre em fevereiro de 2020. Atuo como urologista há seis meses em consultório privado em Porto Alegre e em um serviço de uro-oncologia do SUS no interior do estado. A minha história com a Urologia iniciou ainda na faculdade, com meu professor de Urologia e paraninfo de formatura, Dr. Hsu. Ele despertou em mim a paixão pela especialidade, através de seu carisma e didática excepcionais. Nos estágios como doutoranda e no rodízio na Urologia durante a residência de cirurgia geral eu já havia definido que seria urologista. Já como residente, a minha grande inspiração foi a Dra. Nancy Denicol, exemplo de urologista, mulher e amiga. Orgulho imenso quando era chamada de Nancyzinha pelos colegas. Sou muito realizada com a profissão que escolhi, ainda muito jovem e tenho certeza de que o dia a dia da Urologia só me trará grandes experiências tanto pessoal quanto profissionalmente.”

Dra. Aline Gularte Teixeira da Silva (RS), 29 anos

 

Quando atuo na Urologia é como se fosse médico de várias especialidades
“Sou de Taiwan, por questões políticas sempre existiu conflito com a China e possível tensão bélica. Além disso, devido à complicada situação do casamento dos meus pais na época, eu e minha mãe emigramos primeiramente para o Paraguai, quando eu tinha 13 anos, e com 20 anos vim para o Brasil fazer a faculdade e fiquei. A maior dificuldade no início foi a econômica, por ser estrangeiro e não poder trabalhar. Não tive muito problema com a língua e nem cultural, adaptei-me bem graças aos amigos e colegas que conquistei ao longo do tempo, que com certeza foram fundamentais para mim e guardo muito carinho e gratidão por eles. Quando estava fazendo a residência de cirurgia geral na Santa Casa de Porto Alegre (RS), comecei a ter contato com o pessoal da residência de Urologia, chefiado na época pelo Prof. Carlos Souto. A aproximação com o excelente serviço favoreceu a minha escolha. Terminei minha residência de Urologia no final de 1999 e atuo na área desde 2000. A Urologia reúne características de várias especialidades: cirurgia, clínica, radiologia, dermatologia etc. Quando atuo na Urologia é como se fosse médico de várias especialidades, por isso não teria escolhido outra área na medicina.”

Dr. Yuan Hsu (RS), 51 anos, taiwanês que abraçou o Brasil como sua casa

 

Comments are closed.