IBJU alcança fator de impacto acima de 3, o maior de sua história

O International Brazilian Journal of Urology alcançou em 2022 o maior fator de impacto de sua história: 3.050. 

O fator de impacto é a principal métrica que qualifica as revistas científicas. O indicador é aferido anualmente e considera o número de citações que a revista recebeu nos dois anos anteriores dividido pelo número de artigos publicados. Dessa forma, a revista mais lida tem mais citações e consequentemente mais prestígio entre as publicações.

“O IBJU não para de crescer e de ser prestigiado. Tenho certeza de que esse é somente o início de um caminho glorioso da nossa revista, comemora Dr. Luciano Alves Favorito, editor-chefe.

“O aumento do fator de impacto do IBJU é o resultado de um trabalho que vem sendo desenvolvido já há algum tempo, pelos editores-chefes que estiveram à frente dessa publicação desde a internacionalização da revista, e também do apoio das diretorias da SBU no mesmo período. Hoje temos uma Sociedade forte, extremamente atuante e sobretudo respeitada, com uma revista de excelente qualidade”, destaca Dr. Alfredo Canalini, presidente da SBU.

Publicação open access

A revista é totalmente financiada pela SBU. “O serviço que a SBU presta aos seus associados através dessa política de financiamento e manutenção é inestimável para seus associados e para toda a comunidade urológica. Nossa revista é totalmente open access, ou seja, todos os seus artigos podem ser baixados gratuitamente por todos. E também não cobramos para que os artigos após serem aceitos possam ser publicados. Essa política é única entre as revistas urológicas e nos diferencia”, afirma o editor-chefe.

“O IBJU foi indexado pelo Prof. Francisco Sampaio em sua gestão como editor-chefe e recebeu um impacto de 1,4, um fator muito expressivo. Assumimos a editoria da revista no segundo semestre de 2019, após um rigoroso processo seletivo, e na época a revista tinha o impacto de 1. Nosso compromisso era melhorar sua qualidade e subir o indicador”, completa Dr. Favorito, que também é professor titular da Unidade de Pesquisa Urogenital da Uerj e urologista do Hospital Federal da Lagoa (RJ).

Mudanças

De acordo com o editor-chefe, algumas medidas foram adotadas para fazer com que o impacto triplicasse em dois anos e meio:

  1. Não aceitar mais relatos de casos;
  2. Só aceitar submissão de artigos em inglês; 
  3. Diminuir o número de artigos publicados por edição (antes eram publicados em torno de 20 artigos e atualmente, de 11 a 12 por número); 
  4. Seleção rigorosa dos artigos que são submetidos;
  5. Diminuição do tempo de julgamento e de publicação em ahead of print dos artigos;
  6. Equipe de experts nas subespecialidades para atuar como editores associados e para confeccionar comentários editoriais nas novas seçōes: Expert Opinion e Update in Urology;
  7. Confecção de editoriais destacando os principais artigos publicados;
  8. Trabalho ininterrupto.

“Como editor-chefe, leio todos os artigos que chegam (em 2020 chegaram mais de mil, em 2021, mais de 800) e somente mando para avaliação por pares os artigos de grande valor científico. Essa medida levou nosso índice de rejeição imediata para em torno de 82%, ou seja, instituímos um critério duríssimo de seleção. Além disso, nosso tempo de análise preliminar caiu consideravelmente e em média hoje é em torno de três a quatro semanas e assim que o artigo é aceito ele fica on-line em menos de duas semanas, o que aumenta a visibilidade. Aproveito para agradecer o apoio que temos recebido da equipe da revista, especialmente nosso editor técnico Ricardo de Morais, que faz um trabalho incansável para o crescimento da revista”, ressalta Dr. Favorito.

Outra conquista do IBJU foi ter se tornado a revista oficial da Confederação Americana de Urologia (CAU) em 2020.  

 

Comments are closed.