Exclusivo associados

Efetue login para acessar todo conteúdo exclusivo para associados da SBU.

Dados não conferem. Por favor, tente novamente.
Ainda não é associado? Clique aqui
20/04/2020

Quando é preciso sair de casa: SBU alerta para emergências durante a pandemia

Algumas intercorrências sem tratamento podem causar perda de função de órgãos

O país encontra-se mobilizado no combate à disseminação do novo coronavírus e a medida mais indicada é o isolamento social. Porém algumas doenças, como infecções, demandam uma rápida intervenção médica. Mas por medo da infecção pela Covid-19, muitas pessoas têm adiado a ida ao hospital, tendo consequências de saúde muitas vezes irreversíveis.

Há diversas urgências urológicas que precisam de atendimento imediato com risco de perda de função de órgãos.

A urologista Dra. Karin Jaeger Anzolch, membro da Comissão de Comunicação da Sociedade Brasileira de Urologia, destaca dez urgências urológicas que devem fazer o paciente procurar uma emergência:

Retenção urinária aguda / urina trancada: pessoa tem urina na bexiga, na maior parte das vezes sente grande dor ou desconforto pela vontade de urinar, mas a urina não sai ou, quando sai, só elimina algumas poucas gotas. “Se não tratada, pode evoluir com infecção, mau funcionamento da bexiga, perda de função dos rins e até choque”, explica Dra. Karin.Cólica renal / pedra nos rins: considerada uma das maiores na escala de dor, costuma ser referida nas costas, um pouco acima da cintura, podendo também se refletir para o flanco, baixo ventre, testículos ou grandes lábios do mesmo lado, acompanhada ou não de sudorese, náuseas ou vômitos. A febre não é um sintoma comum e deve ser sempre um sinal de alerta a respeito da gravidade, podendo indicar a presença de infecção renal.Infecção urinária aguda / cistite: Apesar de ocorrer em qualquer faixa etária e em ambos os sexos, sabidamente é muito mais frequente na mulher adulta, causando infecção urinária que atinge basicamente a bexiga e, apesar de muitas vezes ocasionar bastante desconforto e até sangramento urinário, geralmente não produz febre. Uma cistite negligenciada pode, eventualmente, evoluir até para uma infecção nos rins.Infecção nos rins: é um quadro bem mais grave, em que a infecção atingiu um ou ambos os lados. Geralmente é acompanhada de febre, calafrios e dor lombar, com ou sem os sintomas da cistite, mas, em idosos e crianças, pode ter sintomas menos característicos, como diminuição do apetite, diminuição da temperatura, desconfortos mais vagos no abdômen e até alteração da atenção e da consciência. É uma das grandes urgências urológicas, especialmente em pacientes imunossuprimidos, com cálculo urinário, diabetes, crianças, idosos, gestantes e pessoas debilitadas por outras causas.Dor aguda no testículo: “A torção testicular é uma emergência cirúrgica, requerendo pronta intervenção dentro de seis horas da apresentação dos sintomas para evitar o risco de perda do órgão”, enfatiza a médica.Parafimose / pênis estrangulado: Quando a extremidade do prepúcio, que é a pele móvel que envolve o pênis, é tracionada para trás e não retorna, pode ocorrer um problema de circulação e essa ponta pode começar a inchar, sendo mais comum em quem já tem fimose. Se o prepúcio não for reduzido, aumentam os riscos de infecção e até de necrose peniana.Fratura peniana: Por não ter osso, algumas pessoas jamais imaginariam que o pênis pudesse “quebrar”, mas pode. Fraturas penianas acontecem quando um ou ambos corpos cavernosos – que são dois cilindros esponjosos internos responsáveis pela rigidez do órgão – são rompidos de forma traumática, comumente durante uma atividade sexual vigorosa. “Em aproximadamente 10% a 20% dos casos de fratura peniana, ocorre ruptura também da uretra. Dois sinais quando isso acontece são sangramento e dificuldade para urinar. Se já há sangue na ponta do pênis, aconselha-se que o paciente não tente urinar espontaneamente e procure imediatamente um serviço de urgência”, diz a urologista.Gangrena de Fournier: os pacientes mais propensos são aqueles com diabetes, alcoolismo, com fístulas (comunicações anormais) ou pessoas com defesas diminuídas. O quadro clínico clássico é a rápida progressão e os pacientes geralmente apresentam infecção da região genital e dor que é desproporcional ao exame físico. Pode também haver uma tonalidade acinzentada dos tecidos, odor fétido e sensação de que há bolhas de gás abaixo da pele.Sangramento urinário: Apresentar sangue na urina não deve ser encarado como uma situação normal e sempre deve ser procurada uma assistência médica. Pode ser acompanhada de dor ou ser indolor e há várias causas possíveis. Importante descartar o uso de alimentos ou substâncias que colorem a urina, como beterraba e alguns analgésicos.Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs): ISTs incluem HIV, gonorreia, uretrites como a por clamídia, sífilis, cancro mole, HPV, hepatites, entre outras, que, quanto antes forem abordadas, menores serão as chances de complicações e de se iniciar uma cadeia de transmissão. Podem não apresentar sintomas no início, mas a presença de pus ou de secreção na uretra, com ou sem odor, ardência para urinar, lesões ou úlceras (feridas) na região genital, adenopatias (ínguas) nas virilhas são também altamente suspeitos.

 

Veja também:

22/02/2024

Seccionais realizam ações em prol da campanha de conscientização do câncer de pênis

As seccionais da SBU continuam promovendo ações para conscientizar o público leigo sobre a importância da prevenção do câncer de intestino. Confira.

leia mais
16/02/2024

SBU Nacional e seccionais alertam sobre câncer de pênis

A SBU Nacional e as seccionais têm realizado um intenso trabalho de conscientização sobre o câncer de pênis.

leia mais
07/02/2024

Prevenção das ISTs: o que é importante saber

Confira estas recomendações importantes para prevenção das Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs):

leia mais

Este site usa cookies

Leia nossa política de privacidade. Se estiver de acordo, clique em aceitar para autorizar o uso de cookies.

Aceitar